sexta-feira, junho 10

Weiner show

Terão mudado assim tanto os padrões morais em meia dúzia de anos? A pergunta de William Saletan faz todo o sentido. É verdade que o caso Weiner evoluiu de mal a pior: da tentativa de negação inicial passou-se à exposição da mentira, à confirmação de que o congressista terá enviado pela net fotos da sua nudez a mais de uma mulher, e sabe-se agora que tudo isto se passou ao mesmo tempo que a esposa de Weiner espera um bebé. Pecadilho sem grande relevo, dirão alguns. Menos grave do que as fraquezas de Clinton na sala oval, talvez. Daí que se assista com surpresa à forte demarcação que conhecidas figuras do Partido Democrata estão a fazer em relação a Weiner, com apelos à demissão.

Muitos que começaram por apoiá-lo ficaram irritados depois de se saber que o homem afinal tinha mentido, e julgam que a perda do lugar é bem merecida, mais por ser um mentiroso do que por espalhar na net fotos das suas partes.

Seja como for, parece que a personagem central deste reality show não merece a piedade dos espectadores. Porque, se tivermos paciência para fazer um flash-back até 1991, ficamos a saber que o nosso homem saltou para a política usando métodos desprezíveis, que passaram por ataques caluniosos anónimos aos seus concorrentes e pelo apelo à hostilidade racial.

Para Weiner não vai ser fácil o caminho da demissão. Pela simples razão de que é um político de aviário, que nunca teve uma profissão na vida real e não sabe fazer mais nada.

3 comentários:

on disse...

Parece-me que é mais do mesmo.
Pressiona-se um gajo com a sua vida privada. Criou-se um clima onde o "no comments, this is not of your business" não é aceitavel. O gajo tem de mentir. Depois diz-se: Ah e tal, tudo bem, mas o gajo mentiu e isso é inaceitavel!
Este gajo é desprezível, mas eu sinto-me na obrigação de defender a vida privada de toda a gente. Até do Paulo Portas. Este ataque a este peão é uma simples jogada para criar condições para da próxima vez apanhar alguém importante.
Azar deles que o Obama não lhes dá pano para mangas.

lino disse...

O recurso à intromissão na vida privada não é bonito mas é usado como arma política quando se pode. A recente insinuação sobre Portas é exemplar disso e da profunda hipocrisia de quem a fez. No caso Weiner não sei a que respeito Obama seria chamado. O facto é que quem assume funções públicas arrisca a sua privacidade mais do que o cidadão anónimo. Este "apanhado" não presta e ninguém perderá mais tempo a dar-lhe apoio. Hipocrisia também não lhe falta a ele: repare-se nesta preocupação com os predadores na internet
http://www.weiner.house.gov/issue_display.aspx?id=844
e confronte-se com o que sabemos hoje.

on disse...

A questão é: depois de uns dez gajos serem apanhados com estes truques, já ninguém põe em causa o truque.

Nada agradaria mais aos republicamos do que "to pull a Clinton on Obama".

Aquela senhora não é hipócrita.
Pura e simplesmente não tem consciência do que está a fazer.
Mais dia menos dia espalha-se ao comprido.